RESTAURANTE ARABESCO – “PERDIZES –SP”

O Restaurante Arabesco foi inaugurado em 1987 e até hoje é um sucesso. Atualmente com duas lojas, uma no bairro das Perdizes e outra na Av. Paulista centro comercial de São Paulo. O interessante que toda a direção até hoje é familiar e segundo os donos, o restaurante tem como lema, respeitar a origem Sírio-libanesa e também as receitas caseiras herdadas de sua avó, que são exclusivas, diferentes e deliciosas.

 

 

Eu estive degustando no Arabesco Perdizes e fiquei perplexo com tudo. A casa é muito aconchegante, uma decoração clean, todo envidraçada onde o ambiente externo trás harmonia ao salão. Logo na entrada você é recebido com uma linda parreira de uva que decora a fachada externa da casa dando boas vindas aos clientes.

Ao entrar você se depara com uma enorme mesa com delicias da culinária Árabe que lhe dão água na boca. O ambiente é bastante familiar, você tem a impressão que todos se conhecem e existe uma integração muito bacana entre os donos e os clientes.Em minha degustação eu iniciei com o Homus – que na verdade é um alimento típico da cultura árabe feito a partir de grão-de-bico cozido. É delicioso, e o chef tem um cuidado especial com essa entrada (acompanha pão Sírio).

Não resisti e degustei uma Esfiha Fechada de carne. Vocês não fazem ideia da textura da massa e a qualidade do recheio, enche a boca de água só de lembrar para relatar aqui.

Na verdade, a história da Esfiha é interessante. Foi desenvolvida na Síria e difundida pelo Líbano; depois, para outros países de língua árabe e também no Ocidente. Sua massa tradicional é a mesma que a do pão, contudo, em decorrência da difusão do prato, a massa passou a ser preparada com outros ingredientes específicos de outras regiões. Em relação ao seu formato, a esfiha pode ser aberta ou fechada. Ah! a esfiha chegou ao Brasil com os imigrantes árabes (sírio-libaneses) entre os séculos XIX e XX. Não é o máximo! Não deixe de experimentar essa maravilha no Arabesco.

Na sequência, eu degustei uma sopa de legumes, o dia estava fresquinho e caiu muito bem. Tão saborosa, leve, os temperos muito integrados e ela faz com que seu apetite aumente mais ainda para partir para o prato principal.

 

Assim fiz, e não resisti em apreciar o Charuto de Kafta, eu optei por repolho, que também pode ser com folhas de uva. Vieram cinco charutos com folhas de repolho, uma Kafta enorme formando a meia lua no prato e como acompanhamento o tabule.

Que pra quem não sabe, o tabule, ou  tabūlah ou tabouleh ou tabbouli é talvez a salada árabe mais famosa do mundo. O nome vem do árabe taabil que significa tempero e sua receita vem das montanhas da Síria e do Líbano. Bom, é simplesmente delicioso, muito bem preparado, servido com abundância, tempero na medida certa. Realmente fiquei impressionado com esse prato. Vale experimentar!  

Finalizei o almoço com essas sobremesas: O Ninho de Damasco, que é uma massa recheada com damasco e regada com mel, que tem um nome muito simples para meu gosto. “O macarrãozinho” é um doce árabe que é tão lindo o formato e delicado que você fica com dó de desmancha-lo.

 

Também o Ninho de Nozes, é uma massa recheada com nozes e mel que são usadas pela gastronomia árabe há milênios, a sobremesa é uma das mais apreciadas nos países árabes e com certeza no Brasil.

Bom, o restaurante também tem uma área no andar superior para atender eventos e onde seu filho poderá se distrair nos brinquedos.

 

ARABESCO – Rua Doutor Homem de Mello, 494 – Perdizes.

www.arabesco.com.br

Vá e comprove, eu adorei!

Por Luis Guilherme Zenga

Sobre Luis Guilherme

View all Posts

Luis Guilherme Zenga, Jornalista, 20 anos com passagens por diversas editorias desde Área Têxtil, Moda, Beleza, Cidades, Entretenimento e há 10 anos apaixonado pela editoria de Gastronomia e Turismo. Criei o Conceito de Luxo Magazine, por ter a cobrança de meu leitor em dar a minha opinião pessoal sobre as matérias que escrevo nos veículos que atuo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*