HARMONIZAÇÃO DE VINHOS & PRATOS TÍPICOS DE INVERNO

Estamos começando o inverno hoje e o Sommelier Rodrigo Bertin fala especialmente para o Conceito de Luxo de como harmonizar o vinho com pratos típicos da estação.

 

Vamos lá!

Pipoca: A pipoca, por ser feita em óleo ou manteiga, possui uma leve gordura que deixa nossa boca oleosa. Para isso necessita um vinho com acidez para “limpar”. Outro elemento presente na pipoca é o sal e por isso devemos tomar um certo cuidado, pois o sal faz com que os vinhos encorpados fiquem com sensação mais forte na nossa boca. Portanto a melhor opção para pipoca seria um vinho mais jovem, com acidez alta e pouco encorpado, como um tinto leve como a pinot noir ou então um branco não muito aromático, como o Chardonnay, por exemplo.

Massas: O que manda nas harmonizações com massas são os molhos, se você se atentar a isso não terá dificuldades. Molhos mais fortes e gordurosos pedem vinhos mais potentes (na maioria dos casos use o tinto), já molhos mais leves e delicados combinam com vinhos igualmente leves (tintos leves ou brancos). Não se esqueça que o molho de tomate contém acidez alta e o vinho ideal neste caso deve também conter acidez equiparada. Por isso opte sempre por um vinho mais jovem de safras mais recentes.

Feijoada: Esse prato é um dos mais difíceis de harmonizar pela complexidade de elementos presente na feijoada, mas é possível sim. Temos o gosto forte do feijão e das carnes, o ácido do vinagrete e da laranja e os acompanhamentos mais básicos como o arroz e a farofa. Para “conversar” bem com tudo isso, utilizamos um espumante brut que se dá muito bem pois limpa a gordura com as borbulhas, equipara a sua acidez com a do prato e não atropela o sabor das bases, pois é bem leve. Tente essa harmonização, pois além de muito saborosa vai ajudar você na digestão do prato.

Fondue: Esse é outro prato que muda muito a opção ideal de acordo com a diversidade do fondue. Fundue de queijo contém gordura que precisa de acidez e não combinaria com um vinho de muita potência, pois não é tão pesado. Portanto uma boa dica é o vinho branco mais elaborado (como o Chardonnay) ou um tinto leve (Merlot). Fondue de carne precisa de um tinto mais encorpado (como Cabernet Sauvignon) e se for a carne com caldo de legumes, pode ser um tinto mais leve (Carmenère). Já o Fondue de chocolate não tem erro, basta pegar um vinho também doce, como vinho do porto, espumante moscatel e colheita tardia. Se você for fazer uma sequência de Fondue com os três tipos de uma vez, ou você vai trocando o vinho a cada etapa ou pega um vinho coringa que possa se “adaptar” a todas essas variações como um tinto leve e bem frutado ou um espumante semi seco. 

Da redação

Sobre Luis Guilherme Zenga

View all Posts

LUIS GUILHERME ZENGA – Jornalista de formação, com 25 anos atuando na área, passou por diversas editorias desde Área Têxtil, Moda, Beleza, Comportamento, Cidades e Entretenimento. Há 15 anos escrevendo nas editorias de Gastronomia, como crítico gastronômico, Enogastronomia (Vinhos e Cervejas) e Turismo Gastronômico. Colaborador no GOOGLE MAPS, avaliando Restaurantes visitados e tendo mais de (Cinco milhões e trezentas mil visualizações comprovadas) até a data de 01/2019.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*