HARMONIZAÇÃO * SAQUÊ POR CELSO ISHIY

Celso Ishiy revela no Conceito de Luxo como apreciar a tradicional bebida japonesa “saquê” conforme o tipo de culinária.

 

Quando se fala em saquê, imediatamente nos lembramos de um produto tradicional e, principalmente, consumido em restaurantes japoneses. Entretanto, essa bebida milenar tem mais aplicabilidades do que se imagina. O saquê é uma bebida única com sabores e aromas individuais. A partir de ingredientes básicos como arroz e água, somados aos agentes de fermentação (levedura e o fungo koji-kin), forma-se o destilado incrivelmente puro, simples e, ao mesmo tempo, complexo.

Conhecido no Brasil como “cachaça japonesa”, o saquê conquista cada vez mais adeptos brasileiros e, com isso, é comum surgir algumas dúvidas de como apreciá-la e harmonizá-la com diferentes culinárias. E para disseminar a cultura da bebida no Brasil, Celso Ishiy, um dos maiores especialistas e diretor da TRADBRAS, empresa focada na importação e exportação de produtos da cultura oriental, ensina como é possível harmonizar conforme o saque com diferentes tipos de pratos.

Vamos lá!

Pratos leves – pode ser harmonizado com ginjo e daiginjo para apreciar o saquê. Exemplos: saladas, grelhados de carne branca, carpaccio, massas sem molhos encorpados.

Pratos salgados – pode ser harmonizado com saquês levemente doces. Mas se o salgado for acentuado, recomenda-se um saquê mais seco, do tipo junmai. Exemplos: peixe assado, massas de molho vermelho, que podem ser servidos com saquê do tipo nigori (mais encorpado).

Pratos cítricos – Harmoniza-se com saquês mais doces como nigori (mais encorpado) ou honjozo. Exemplos: Ceviches, sunomono.

Pratos temperados e oleosos – Normalmente harmoniza-se com saquê junmai. Entretanto, o corpo leve do saquê honjozo pode “quebrar” a oleosidade. Exemplos: o churrasco pode combinar com um nigori, junmai, honjozo seco. Para quem prefere reduzir a gordura pode harmonizar com um honjozo extra dry.

Pratos aromáticos – Harmoniza-se com saquê aromático, o suficiente para que se sobressaia da comida.

Pratos encorpados – Harmoniza bem com saquê encorpado e sabor de forte presença. Exemplos: carne de panela mineira e feijoada podem ser acompanhados do saquê nigori, que é mais encorpado e realça o sabor acentuado destes pratos.

Pratos doces – Podem ser harmonizados com saquê seco para destacar a doçura da comida – como nos casos da sobremesa. Também pode ser harmonizado com saquê doce para que a comida não fique enjoativa.

Sobre Celso Ishiy

Celso Ishiy é sommelier de saquê e um dos principais especialistas no assunto no Brasil. Fez diversos cursos no Japão, entre eles o Sake Professional Course, ministrado por John Gauntner, o principal especialista estrangeiro em saquê. Para conhecer o processo de produção em detalhes, trabalhou em diversas fábricas de saquê no Japão.

A convite da Jetro (Japan External Trade Organization), órgão do governo japonês para desenvolvimento do comércio entre os países, conheceu mais fabricantes em diversas províncias. Ministrou treinamentos, cursos e palestras sobre o tema em instituições como Fundação Japão, ABB (Associação Brasileira de Bartenders) e evento “Japão à Brasileira”, organizado pela Prefeitura de São Paulo. Elabora cardápios de saquê e ministra treinamentos para restaurantes e empórios. Além disso, é um dos diretores da TRADBRAS, empresa focada na importação e exportação de produtos da cultura oriental. Para mais informações, acesse: www.tradbras.com.br.

Sobre a TRADBRAS

Com foco em produtos japoneses, a TRADBRAS representa com exclusividade no Brasil marcas consagradas, como Sakês Hakushika e Cervejas Sapporo, além de muitos produtos diferenciados. É uma importadora que integra a tradição e a modernidade embarcada no Japão. Com 50 anos de história, a TRADBRAS é considerada a companhia mais tradicional em seu ramo de atividade.

Da redação

Sobre Luis Guilherme

View all Posts

Luis Guilherme Zenga, Jornalista, 20 anos com passagens por diversas editorias desde Área Têxtil, Moda, Beleza, Cidades, Entretenimento e há 10 anos apaixonado pela editoria de Gastronomia e Turismo. Criei o Conceito de Luxo Magazine, por ter a cobrança de meu leitor em dar a minha opinião pessoal sobre as matérias que escrevo nos veículos que atuo.

1 Comentários sobre este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*